Somos o 9.º A da Escola EBI c/JI Cidade de Castelo Branco. Neste blog, publicaremos os nossos trabalhos realizados no âmbito da disciplina de Área de Projecto.

29
Abr 10

Serafim dos Anjos Pessegueiro tem hoje 71 anos.

Foi para a Angola, em 1961. Nunca matou ninguém, mas viveu várias aventuras que jamais esquecerá.

Uma delas ainda ao largo da costa portuguesa! Estavam a fazer a travessia da Almada para Lisboa, quando o barco fez um movimento brusco e uma senhora se desequilibrou e caiu à água. Mas logo um soldado açoriano se laçou à água para a resgatar e o meu avô foi avisar o comandante do navio para parar e voltar para trás, a resgatá-los. E assim este episódio, mesmo antes de partirem, acabou por ter um final feliz!

Já contando a viagem, passou por vários locais como o Funchal, Las Palmas, São Tomé e Príncipe e Angola (Luanda). Ficou de serviço, num aeroporto de Angola, e alojado numa espécie de quartel perto do aeroporto. No Verão, como o calor era tanto, chegou a ter baratas por baixo do colchão onde dormia.

Conta que um dia em que estava de folga, o meu avô e um colega foram dar uma volta e decidiram parar numa sanzala para se refrescarem. Ao aproximarem-se, um senhor de raça negra, sentindo-se ameaçado, puxou da sua catana para os matar e, como não estavam armados, o meu avô e o seu colega tiveram de “zarpar “ dali para fora. Diz que foi a pior aventura de todas e onde mais temeu pela sua vida.

Mas não foi só guerra! O meu avô teve um caso amoroso durante mais de 3 meses com uma senhora de raça negra. Apesar das dificuldades que tive para que me contasse a história, apenas me quis dizer que cada momento que tinha, folgas, quando acabava o seu turno, aproveitava todo o tempo para dar uma escapadela e ir ter com a tal senhora. E é por isso que desde pequenina o oiço dizer “Também já fui muito feliz em África!”

E foi assim que viveu por terras de África. Apesar da guerra verdadeiramente só ter começado um ano depois, o meu avô conta que já se faziam ataques com minas em Angola. “Matavam-se uns aos outros, havia soldados que pisavam as minas colocadas pelos seus compatriotas.”

 

 

 

Sandrine Pessegueiro

publicado por conta-mehistorias às 16:59

Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

26
27
28
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO